segunda-feira, 31 de agosto de 2015

QUEM É MORTO SEMPRE APARECE











Quem é morto
Desce as escadas,
Puxa correntes
De pura mágoa.
Apaga as fotos
Nas elegias,
Arranca as folhas
Rangendo os dentes.

Quem é morto,
Sempre aparece...
Escolhe um canto
Para assombrar
Com seu quebranto.
Lê os jornais,
Não é notícia...
Mantém segredo:
-Pura estultícia!

Quem é morto,
Sempre aparece,
Não tem sossego:
Deixa pegadas,
Abraça o vento,
Abraça o ar,
Tem substância
De esquecimento.

Quem é morto,
Sempre aparece:
Pede, em sussurros,
Mais uma prece.
Mata sua sede
De alheias lágrimas,
E reencarna
Reinventando-se,
Esconde escaras
Lavando a cara.





sábado, 29 de agosto de 2015

THE LOGICAL SONG - LETRA E TRADUÇÃO





The Logical Song
(A Canção Lógica)

By
Supertramp
  

When I was young
(Quando eu era jovem)
It seemed that life was so wonderful
(parecia que a vida era tão maravilhosa)
A miracle, oh it was beautiful, magical
(Um milagre, oh, ela era linda, mágica)
And all the birds in the trees
(E todos os pássaros nas árvores)
Well they'd be singing so happily
(Bem, eles cantavam tão felizes)
Oh, joyfully, playfully, watching me
(Oh, alegres, brincando, me observando)
But then they sent me away
(Mas então mandaram-me embora)
To teach me how to be sensible
(Para ensinar-me a ser sensato)
Logical, oh responsible, practical
(Lógico, responsável, prático)
And they showed me a world
(E então mostraram-me um mundo)
Where I could be so dependable
(Onde eu poderia ser tão confiável)
Oh, clinical, intellectual, cynical
(Oh, clínico, intelectual, cínico)

There are times when all the world's asleep
(Há horas em que todo o mundo está dormindo)
The questions run too deep
(As questões correm tão profundamente)
For such a simple man
(Para um homem tão simples)
Won't you, please, please, tell me what we've learned
(Por favor, você não me dirá o que aprendemos?)
I know it sounds absurd
(Eu sei que soa absurdo)
But please tell me who I am
(Mas por favor, diga-me quem eu sou)

Now watch what you say
(Agora, cuidado com o que diz)
Or they'll be calling you a radical
(Ou o chamarão de radical)
A liberal, oh fanatical, criminal
(Um liberal, fanático, criminoso)
Oh, won't you sign up your name
(Você não assinará seu nome?)
We'd like to feel you're
(Gostaríamos de sentir que você é)
Acceptable, respectable, oh presentable, a vegetable
(Aceitável, respeitável, apresentável, um vegetal)

At night when all the world's asleep
(À noite quando todo o mundo está dormindo)
The questions run so deep
(As questões correm tão profundamente)
For such a simple man
(Para um homem tão simples)
Won't you please, please tell me what we've learned
(Por favor, voc^~e não me dirá o que aprendemos?)
I know it sounds absurd
(Eu sei que soa absurdo)
But please tell me who I am
(Mas por favor, me diga quem eu sou)
Who I am, who I am, who I am
(Quem eu sou, quem eu sou, quem eu sou...)



Por Onde Andam?

Turma da Terceira série do Colégio Progresso, 1973




quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Me Perdoem







Me perdoem por meus comentários breves; eu leio. Comentar, para mim, é difícil, pois eu temo cometer algum pecado ao dar uma interpretação pessoal demais. Às vezes, comento falando de mim, da maneira como o texto me afeta, pois é  assim que sei melhor comentar. Não sei fazer comentários falando de gramática, estrutura poética, rimas e métricas, pois não entendo quase nada dessas coisas.

Para mim, aquilo que alguém escreveu é solo sagrado, e a gente deve entrar de mansinho, descalços, sem fazer muito ruído, sem atiçar fogo à sarça, e isto foi algo que aprendi após alguns deslizes.  Leio, e penso sobre aquilo que li; se acho que posso concordar ou discordar sem ofender ninguém, eu o faço. É muito difícil dar uma opinião sobre alguma coisa que alguém escreveu, pois não temos à mão o contexto daquilo, o momento em que foi escrito, a fonte da inspiração. Não sabemos de onde vêm o sangue, a lágrima ou a água onde a pena foi molhada.

Quando eu escrevo, eu solto e deixo ir; não é mais meu. Pertence a quem ler, a quem interpretar dentro de qualquer contexto; escrevo por mim mesma, mas para quem lê. Mas algumas pessoas não são assim: escrevem para assinarem o nome por cima, obter alguma notoriedade, numa tentativa de deixarem suas marcas no mundo. Vivem numa paranóia obsessiva de estarem sendo plagiados. Já eu não tenho mais esse tipo de ilusão. Escrevo para passar o tempo, porque é divertido e agradável, e porque me ajuda a me descobrir. 


As Casas Envelhecem...






Às vezes eu vejo filmes que foram feitos em países como a Itália ou a Irlanda, e presto atenção nas casas antigas que existem por lá. Elas são mantidas com sua arquitetura original. Pode ter um quebradinho na parede, ou a tinta da janela descascando. Os móveis são antigos, e o portões, de tão velhos, rangem ao serem abertos.

Penso na casa de meus pais, onde cresci. Já era velhinha quando eu nasci, acredito que ela tenha mais de cento e cinquenta anos, quem sabe... nunca foi muito reformada. As casas também envelhecem, e acho que quando isso acontece, os moradores devem manter sua estrutura original ao reformá-las, sem modificar a fachada ou a disposição dos cômodos. As casas são como nós: trazem sua história escrita nas paredes, e quando a reforma é radical demais, toda ela é apagada para sempre. 






Gosto da ação do tempo sobre as coisas; é o wabi-sabi agindo. Para quem não sabe o que é o wabi-sabi, a Wikipedia explica: 

"Wabi-sabi (侘寂?) representa uma abrangente visão de mundo japonesa, uma visão estética centrada na aceitação da transitoriedade e imperfeição. Esta concepção estética é muitas vezes descrita como a do belo que é "imperfeito, impermanente e incompleto". Uma idealização artística desenvolvida por volta do século XV no Japão, durante o período Muromachi, com bases nos ideais do zen budismo. É um conceito derivado dos ensinamentos budistas das três marcas da existência (三法印, sanbōin?), nomeadamente anicca (impermanência), as outras duas sendo dukkha (sofrimento) e anatta (não-eu).

As características estéticas do wabi-sabi incluem assimetria, aspereza (rugosidade ou irregularidade), a simplicidade, a economia, a austeridade, a modéstia, a intimidade e a valorização da integridade ingenua de objetos e processos naturais.

O wabi-sabi é a apreciação estética do despojamento, utilizada por Sen no Rikyu na cerimónia do chá. Refere-se ao viver uma vida comum com o despojamento, com a insuficiência ou com a imperfeição, e está relacionado às doutrinas de desapego do Zen budismo. Estes conceitos estão representados na produção artística através do rústico, do imperfeito, do monocromático e do aspecto natural. Através de wabi e sabi é possível o alcance do vazio da mente que traz tranquilidade. wabi significa "quietude" e sabi "simplicidade", e expressam-se através da querença que os japoneses possuem por simplicidade e subtileza."

Acho bonitas as marcas do tempo em uma casa. Adoro caminhar por casas antigas, sentí-las, conversar com elas em silêncio e imaginar suas histórias.


"Quando os japoneses consertam objetos, eles destacam os danos enchendo as rachaduras com ouro. Eles creem que quando algo sofre um dano e tem uma história, ele se torna mais belo."



quarta-feira, 26 de agosto de 2015

RESENHA - O SOL É PARA TODOS






O SOL É PARA TODOS 
AUTOR: HARPER LEE
Editora José Olympio, ano 2015
categoria - Romance

Esta resenha não é bem uma resenha; na verdade, ela é o relato de um reencontro entre amigos. Vou explicar melhor: li este livro pela primeira vez quando tinha doze anos de idade. Fiquei fascinada pelos história, e minha mente de pré-adolescente, que se impressionava com muita facilidade, apaixonou-se pelos personagens. Eu também queria conhecer pessoalmente Boo Radley, o recluso que morava próximo da casa dos Finch. Desejei poder ser amiga de Jem e Scout Finch, as crianças curiosas das quais Calpúrnia, a criada negra, ajudava Atticus Finch a cuidar. Eu quis viver naqueles conturbados anos da Primeira Guerra, durante os quais aquelas pessoas viviam. 


Eu era apenas uma criança, e tive que reler várias passagens para poder compreender melhor o que estava acontecendo na história, pois não estava familiarizada com julgamentos ou com certos conceitos e termos. Hoje, eu sei que o foco principal da história foi o fato de um advogado branco defender um homem negro acusado de estupro, e isto, no Alabama, onde reinavam o preconceito e a Ku-klux Klan. Mas, naquela época, o meu foco eram as crianças e suas aventuras. Confesso que desenvolvi uma paixonite por Boo Radley, e cheguei até mesmo a sonhar com ele uma noite.

Ao terminar de ler o livro, tive que devolvê-lo, pois não me pertencia, e foi como despedir-me de pessoas reais das quais eu tinha aprendido a gostar muito, e eu o fiz com grande pesar. Durante anos, tentei adquirir um novo exemplar em sebos e mais tarde, pela internet, mas só consegui há um mês, na livraria virtual da amazon. com. Encomendei a edição de papel, pois queria ter a mesma sensação que tive ao ler o livro pela primeira vez.

Estava um pouco apreensiva; será que ao reler o livro, agora como uma mulher adulta, eu perceberia que era apenas mais um livro? A magia da primeira leitura teria sido apenas fruto da imaginação fértil de uma criança?


No filme de 1962, Robert Duval interpretou Boo Radley...

Finalmente, o livro chegou, e assim que pude, comecei a lê-lo. Mal o tinha aberto, e parecia ter entrado nas páginas e reencontrado velhos amigos, dos quais eu me lembrava com saudade, e abracei-os um a um. A minha paixonite, desta vez, não foi por Boo Radley, mas por Atticus Finch, o advogado que defendeu Robinson. As crianças, que permaneceram crianças, despertaram-me uma ternura diferente, e finalmente, pude compreender Tia Alexandra e sua quase obsessão em proteger Scout e Jem. Eu não gostara muito dela na primeira leitura.


...E Gregory Peck ficou com o Oscar de melhor ator interpretando Atticus Finch

Ao terminar o livro, agora com uma compreensão bem mais abrangente de tudo o que o autor tentou mostrar, fiquei feliz ao perceber que a magia não morreu: pelo contrário, ela aumentou, ganhando novos significados.

O Sol é Para Todos é um livro que deveria ser lido por todo mundo, crianças e adultos, e debatido em salas de aula e grupos de leitura. Ele ensina a compreensão, a reflexão e a tolerância, num mundo onde todas as conclusões são tomadas rapidamente e sem maiores considerações. Ele ensina o valor da amizade, dos bons vizinhos e da gratidão. Desnecessário dizer que é uma linda história, mas direi assim mesmo.


segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Uma Casa Vazia





Desde que compramos nossa casa, há onze anos, há uma outra quase em frente a nossa que está vazia desde antes de nos mudarmos, e nem sei dizer há quanto tempo. Os donos não são de Petrópolis, e raramente aparecem; quando vêm (mais ou menos duas vezes por ano), abrem as janelas, espanam teias de aranha e vão embora rapidamente.

A casa tem uma fachada feia: dois andares quadrados e sem-graça, ela é enfei(t)ada por azulejos. A garagem não passa de um telheiro quadrado suportado por quatro pedaços de madeira. Mesmo assim, eu sempre olhei para a casa com muita curiosidade, pois adoro casas antigas. Esta parece ter sido construída nos anos sessenta ou setenta.

Comentei há alguns anos com meu vizinho Jorge, que de vez em quando ajuda-nos a resolver pequenos problemas domésticos, sobre minha vontade de entrar na casa. Ele respondeu: "É uma casa muito boa! Grande, espaçosa mesmo." 

Eu às vezes ficava da minha janela, olhando para ela lá do outro lado da rua. Pensei: parece até uma casa assombrada. Depois que meu vizinho me disse que era uma casa boa, fiquei mais curiosa ainda, embora fosse difícil conceber que a feiosa fosse também jeitosa.

Na semana passada, ouvi meu vizinho chamando-me ao portão: "Dona Ana, estamos trabalhando na casa. Quer conhecer?" Não me fiz de rogada, e matei minha curiosidade!

E não é que a feiosa é jeitosa mesmo?

Fiquei impressionada com a sala de estar, logo de cara: grande, bem maior que a minha, chão de tábuas corridas, e as escadas que levam ao andar superior tem um lindo corrimão de madeira trabalhada,  sólido e grosso. A cozinha é pequena, mas muito ajeitada. No andar superior, após um hall que mais parece outra sala, três quartos e um banheiro. Os quartos não são muito grandes, mas ao chegar às janelas, deslumbrei-me com uma linda vista de árvores e montanhas!

Na suíte do andar inferior, descobri uma velha rádio-vitrola que eu adoraria que fosse minha, e nos fundos da casa, escadinhas que conduziam a um platô gramado, onde imaginei banquinhos e uma mesinha de jardim com cadeiras. Olhei para cima, e lá estava a floresta e toda a sua força verde! Um quintal de fundos que dá para uma floresta, para mim é um luxo só!

Fiquei andando pela casa, imaginando como ela poderia ficar depois de algumas reformas. O cheiro de mofo não me espantou, nem alguns dos móveis quebrados e algumas janelas com vidros rachados nos fundos da casa. Quando eu olho para uma casa, eu vejo além do que ela mostra. Se não fosse assim, nem teria comprado esta aqui... estava em péssimo estado quando a adquirimos. Ah, se eu pudesse, comprava a casa. Adoraria reformá-la, embelezar a fachada feia e sem-graça, decorá-la... 

As aparências realmente enganam, e esta casa parece estar aqui para comprovar esta teoria.



Harper Lee - O sol é Para Todos






Trechos desta magnífica obra de harper Lee, tão atual.


“Quando crescer, todos os dias você verá brancos ludibriando negros, mas deixe-me dizer uma coisa, e nunca se esqueça disso: sempre que um branco trata um negro desta forma, não importa quem seja ele, o seu grau de riqueza ou a linhagem de sua família, esse homem branco é lixo.”



“Deus significa amar aos outros como a gente ama a gente.”




 “Existem pessoas que se preocupam tanto com o Outro Mundo que nunca aprendem a viver neste.”




 “Pela própria natureza da profissão, todo advogado enfrenta pelo menos uma vez na vida um caso que o afeta pessoalmente.”



 “Só porque fomos derrotados uma vez não é motivo para não tentarmos novamente.”




“As pessoas sensatas não se orgulham de seus dotes naturais.”



“Antes de poder viver com os outros, eu tenho de viver comigo mesmo. A consciência de um indivíduo não deve subordinar-se à lei da maioria.”




“Não se sinta ofendida quando alguém lhe disser uma expressão feia. Isso não deve atingi-la, apenas revela a pobreza de quem falou...”




“Eu queria que você visse o que é realmente coragem, em vez de pensar que coragem é um homem com uma arma na mão. Coragem é quando você sabe que está derrotado antes mesmo de começar, mas começa assim mesmo, e vai até o fim, apesar de tudo. Raramente a gente vence, mas isso pode até acontecer.”

“Andar armado é um convite para alguém atirar na gente”.




“Só existe um tipo de gente: gente.”



” -Não devemos soltar as rédeas da nossa imaginação, querida – disse. – Não se esqueça, diga a seu pai para não lhe ensinar mais. Diga-lhe que eu me encarrego disso daqui por diante e tentarei desfazer os danos…
 - O quê, professora?
 - Seu pai não sabe como ensinar. Agora pode se sentar.
 Murmurei umas desculpas e calei-me, meditando sobre o meu crime. Eu nunca aprendera deliberadamente a ler, mas quem sabe se não andei olhando demais as notícias dos jornais? As longas horas passadas na igreja… será que aprendi aí? Eu sabia ler todos os hinos. Agora, sendo obrigada a pensar no assunto, concluía que ler fora algo que me acontecera espontaneamente, como aprender a abotoar os fundilhos do pijama, ou dar laços nos sapatos sem olhar. Não conseguia me lembrar quando as linhas apontadas por Atticus se dividiram em palavras, mas todas as noites de que tinha lembrança eu as acompanhara ouvindo as notícias do dia, os projetos de lei, o diário de Lorenzo Dow – qualquer coisa que Atticus por acaso estivesse lendo quando eu me acomodava em seu colo à noite. Até sentir medo de perdê-la, eu não amara a leitura. Não se ama a respiração!


Harper Lee

Nelle Harper Lee é uma escritora norte-americana, ganhadora do Prêmio Pulitzer em 1961 pela sua obra de ficção To Kill a Mockingbird. Wikipédia
Nascimento: 28 de abril de 1926 (89 anos), Monroeville, Alabama, EUA
Filiação: Frances Cunningham Finch, Amasa Coleman Lee
Irmãos: Alice Lee, Louise Lee Conner, Edwin Lee
Filme: O Sol é Para Todos
Prêmios: Prêmio Pulitzer: Melhor Ficção, Medalha Presidencial da Liberdade (Wikipedia)



HAIKAI






Caminhos do sol
As folhas são molduras
 Rendando a tarde



Nenhuma destas imagens foi editada, a não ser pelas lentes da própria natureza.


Fotografias tiradas ontem na Estrada de Teresópolis, quando voltávamos para casa.



Uma das tardes mais lindas que já vi!



De repente, olhando pela janela do carro, notei que as folhas contra o céu pareciam rendas.



Eu queria levar comigo um pouco daquele dia, que foi maravilhoso.



Comecei a fotografar a paisagem à janela...



Depois, meu marido parou em um mirante e consegui fotos melhores do sol se pondo...



Algumas ficaram um pouco borradas, devido ao movimento do carro...



...e ao fato de que foram obtidas com um simples smartphone. 



O pôr do sol nunca é o mesmo, nem que seja contemplado através da mesma janela todos os dias. Sempre haverá uma nuvem que não estava lá no dia anterior, ou um pássaro, ou cores mais fortes ou mais suaves. O vento pode modificar a posição das folhas das árvores. Nosso olhar pode estar mais feliz ou mais triste. Eu quis guardar o dia de ontem, porque foi um dia muito feliz, e eu sei que ele nunca mais voltará.




















E Chega a Tarde na Estrada de Teresópolis...



Aviso: Todos os efeitos especiais nestas fotos foram produzidos pela própria natureza















O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...