segunda-feira, 30 de novembro de 2015

ADAPTAÇÃO




Quem não se adapta às mudanças, acaba ficando, literalmente, para trás. Confesso que sou saudosista de algumas coisas; por exemplo, eu adoro os discos de vinil - tanto que comprei um toca-discos na Black Friday, apesar de já ter um bem antigo. Mas o novo tem alguns recursos mais modernos, e se posso desfrutar deles, por que não? E foram justamente as novas conveniências que me atraíram; por exemplo, poderei digitalizar meus discos de vinil, e assim, colocá-los em meu pendrive para ouví-los onde quiser. 

O mesmo eu digo dos livros de papel; também tenho muitos deles. Alguns eu penso em doar, pois já foram lidos e relidos, e outros, foram lidos apenas por distração e nada há neles que me faça querer guardá-los. Há os especiais, que jamais empresto e nem vou doar.

Mas há também as livrarias que oferecem novas plataformas de leitura por preços bem mais baixos, com a vantagem adicional da economia de espaço físico em casa e a conveniência de poder comprar e ler na mesma hora, sem precisar sair de casa debaixo de chuva em um dia como hoje, por exemplo. E exatamente como nos livros de papel, é possível fazer anotações e selecionar passagens nos livros virtuais! 

Livrarias como a amazon.com.br oferecem milhares de títulos, inclusive, os grandes clássicos, e muitas vezes, totalmente DE GRAÇA; o conteúdo é exatamente o mesmo que encontramos em livros de papel; por que não aproveitar, meu Deus? Por que agarra-se ao passado, quando a única diferença entre livros de papel e livros virtuais é a plataforma de leitura? Os livros podem ser baixados e lidos não apenas no Kindle - leitor de livros da Amazon - mas também em computadores, tablets e smatphones. Sinceramente, não entendo a resistência e o preconceito de pessoas que cismam em falar mal dos livros virtuais, como se todos os escritores que fazem este tipo de publicação fossem maus escritores! Não sabem que lá estão não somente os escritores desconhecidos, mas também os famosos, os consagrados! E que publicar em livros de papel não significa que o autor seja talentoso; há muita porcaria irrisória e ridícula disfarçada de grande estilo literário por aí...

É aquela velha mania de não comer e dizer que não gostou... coisa típica de quem não viu e nem quer ver e prefere falar mal sem conhecer. Gente retrógrada, talvez do mesmo tipo que ridicularizou a televisão quando a invenção surgiu, há anos. 

OK, cada um tem direito a fazer suas escolhas; mas por que falar mal daquilo que não conhece? Não seria melhor experimentar antes? E aqueles que condenam a publicação em livros virtuais, mantém sites e blogs na rede, e nem se lembram de que eles também são uma plataforma de publicação virtual! Ou seja, fazem apologia contra o que eles próprios praticam. 

Digo e repito: escrever deve ser o maior objetivo de quem escreve; lucros, se vierem, serão apenas consequência. Não há nada de mal em vender um trabalho, seja ele escrito ou de outro tipo, desde que vender não seja o principal motivo de quem escreve, pinta ou compõe, ou teremos aí a corrupção literária, a prostituição das letras e das artes.  Sublinho e grifo, para que alguém que não teve a paciência de ler e refletir sobre o que escrevi não venha aqui expressar opiniões baseadas em equívocos. 

Como disse Ariano Suassuna, (foi Ariano Suassuna, não Ana Bailune quem disse):



"Não me preocupo muito em ter ou não uma posição como artista. Literatura para mim não é mercado. É a minha festa, é onde eu me realizo. Digo sempre: arte é missão, vocação e festa. Não me venham com essa história de mercado."


E ainda:


"O autor que se julga um grande escritor, além de antipático é burro, imbecil. Um escritor só pode ser julgado depois da sua morte. Muito tempo depois."



É triste que na internet ainda abundem os tipos antipáticos e imbecis.






ARIANO SUASSUNA





"Não me preocupo muito em ter ou não uma posição como artista. Literatura para mim não é mercado. É a minha festa, é onde eu me realizo. Digo sempre: arte é missão, vocação e festa. Não me venham com essa história de mercado."







"Tenho duas armas para lutar contra o desespero, a tristeza e até a morte:
o riso a cavalo e o galope do sonho. É com isso que enfrento essa dura e fascinante tarefa de viver."





"Jesus às vezes se disfarça de mendigo pra testar a bondade dos homens."
(Em: O Auto da Compadecida)






"Não existe arte nova ou velha, só boa ou ruim."






"O autor que se julga um grande escritor, além de antipático é burro, imbecil. Um escritor só pode ser julgado depois da sua morte. Muito tempo depois."







"Eu não tenho imaginação, eu copio. Tenho simpatia por mentiroso e doido. Como sou do ramo, identifico mentiroso logo."






quarta-feira, 25 de novembro de 2015

FRÁGIL










Seu amor era tão frágil,
Não resistia a um sorriso
Ou a um belo gingado...
Do inferno ao paraíso
Vivia ela, ao seu lado.

Morria de amores num dia,
E no outro, só matava.
Mas logo, ela arrefecia,
E o perdão concedia;
Liquefazia-se o fel
No brilho de um novo anel.

Nos braços dele, esquecia,
Mas à noite, o raio branco
Do luar o despertava,
E assim, ele partia
E sozinha ela acordava...

Seu amor era tão frágil,
Parecia um vento frio
Que soprava, descuidado,
Sobre as águas de um rio,
Mal deixando-o encrespado.


Era só o que ela tinha,
Ou o que pensava ter...
E sumia, a cada dia,
Tentando permanecer.
Bebia o doce veneno
Daquele amor obsceno
Que só fazia matar,
Que só fazia morrer!






terça-feira, 24 de novembro de 2015

Pingos de Chuva - Renovação







Chegou, finalmente, a estação das chuvas. Os pingos cristalinos caem sobre os fios de grama, deixando-os mais verdes, fazendo com que cresçam mais rapidamente. Logo, o gramado seco e desbotado transforma-se em um tapete verde-claro macio e felpudo.

As hortelãs, que ameaçavam morrer e desaparecer, já mostram novos brotinhos, e as plantas que não floresciam, enchem-se de botões ainda tímidos, mas que se aprontam para abrirem. Os passarinhos voltaram, enxameando o comedor. As habituais rações de bananas não são suficientes, e enquanto recolho as cascas vazias, penso que precisarei aumentar a quantidade. O mesmo posso dizer das garrafinhas dos beija-flores, que se antes permaneciam cheias até o final do dia, agora esvaziam-se antes do cair da tarde. 





As minas secas secas voltam a renovar-se, e sobre a pedra da montanha, escorrem pequenos veios d'água, como antes. Eu fico olhando para tudo isso e chego até a me emocionar com tanta beleza e fertilidade.

São os ciclos da vida renovando-se. 





E nós precisamos nos lembrar deles quando estivermos passando por aqueles períodos de seca, que acontecem nas vidas de todo mundo: logo, a chuva voltará a cair. Nossa casa nos dá mais uma chance, apesar de tudo o que temos feito com ela.

A lama de Mariana chegou ao mar. A matança continua. A Terra de Minas cobre-se de tristeza. Mas um dia, tudo voltará a renascer. Pena que desta vez, foram longe demais, e vai demorar muito.




segunda-feira, 23 de novembro de 2015

TWISTED TRUTH






She used to twist the truth
Into something new
Called "lie."





A MINHA SOMBRA












A minha sombra é independente,
E gosta de aparecer.
Se escondo a mão,
Ela não acompanha,
E fica pairando no ar, sozinha,
Apanha
Um fio de teia de aranha,
Arranha 
Meu rosto sorridente.

A minha sombra voa,
Como a de Peter Pan;
Já tentei costurá-la
À sola dos pés,
Mas ela vem e vai, como as marés,
Vira a cara para o sol
E se projeta em mim,
De viés...

A minha sombra não se cala,
Não me obedece,
Desce as escadas de manhã,
Batendo os pés contra as paredes,
Se enrola nas fibras da rede,
Me imola a alma,
Me amola a calma,
Atiça  a minha sede...

Ah, sombra teimosa!
Sempre alguma coisa
Entre o dia e a noite,
A margarida e a rosa,
Zombeteira e afoita,
Sombra indecorosa!







sexta-feira, 20 de novembro de 2015

SOBRE A MATURIDADE









Já disponível na amazon.com.br o meu novo livro virtual, Sobre a Maturidade. Nele, poemas e algumas crônicas sobre o que significa, para mim, amadurecer. É um pequeno livro - menos de noventa páginas, e todo o material é inédito e selecionado com muito carinho.
Espero que gostem.

Também disponível pelo KDP, para ler de graça, ou se você desejar comprá-lo, ele sai bem em conta: apenas $11,55.

Quem não tiver um Kindle, pode baixá-lo diretamente no computador, tablet ou smartphone. Basta baixar o aplicativo no site ou na Applestore e seguir as instruções. Para encontrar todos os meus livros que estão na amazon, é só digitar "Ana Bailune" na página principal, e eles aparecerão. O site disponibiliza uma amostra grátis para quem quiser dar uma olhada antes de decidir comprar ou não.

Obrigada!





quinta-feira, 19 de novembro de 2015

QUE CÉU!!!








NERUDA







Gosto quando te calas 




Gosto quando te calas porque estás como ausente,
e me ouves de longe, minha voz não te toca.
Parece que os olhos tivessem de ti voado
e parece que um beijo te fechara a boca.

Como todas as coisas estão cheias da minha alma
emerge das coisas, cheia da minha alma.
Borboleta de sonho, pareces com minha alma,
e te pareces com a palavra melancolia.

Gosto de ti quando calas e estás como distante.
E estás como que te queixando, borboleta em arrulho.
E me ouves de longe, e a minha voz não te alcança:
Deixa-me que me cale com o silêncio teu.

Deixa-me que te fale também com o teu silêncio
claro como uma lâmpada, simples como um anel.
És como a noite, calada e constelada.
Teu silêncio é de estrela, tão longinqüo e singelo.

Gosto de ti quando calas porque estás como ausente.
Distante e dolorosa como se tivesses morrido.
Uma palavra então, um sorriso bastam.
E eu estou alegre, alegre de que não seja verdade.



Pablo Neruda





terça-feira, 17 de novembro de 2015

WHAT DO YOU SEE WHEN YOU LOOK THROUGH YOUR WINDOW?






What do you see when you look through your window? 

I see a lot of birds and trees, and a natural landscape that is generous and rich in beauty. I see good neighbors who are always willing to help us out with our domestic problems, and living in a small town where most of the people know each other, I feel happy, safe and at home.

But this is not what a lot of other people see when they look through their windows. They see destruction and pain. They see a landscape full of debris, and the predominant color of their lives is grey. They see the constant menace of soldiers with their guns, and they are afraid to leave home. They see a hopeless world from which they have no escape. 

They see hate.

The next time you look through your window, remember to thank for your landscape. Show more thankfulness for the food you have in your pantry and learn not to complain if things are not as perfect as you would like them to be. 

Send a peaceful thought for those who have no peace. 




SINAIS DO CAOS










Enquanto eu escrevo, olho pela janela e vejo a paisagem linda que me cerca, e penso nas  milhares de pessoas que neste momento estão cercadas de lama por todos os lados, não tem o que beber ou comer e nem guardam  esperanças para o futuro, pessoas que perderam tudo o que tinham e estão se perguntando o que farão daqui para frente.

Penso nas pessoas que foram mortas em Paris, civis que nada tinham a ver com as guerras que seus governantes promovem, e em seus amigos e familiares que neste momento estão sofrendo, talvez revoltados, não tendo mais aquelas pessoas por perto.

Também penso na Síria e em seu povo, que estão sendo bombardeados por todos os lados, e nos demais países que neste momento estão sofrendo os efeitos da guerra. E aqui, esse silêncio, passarinhos cantando, a vida acontecendo normalmente, graças a Deus, o que me faz lembrar de agradecer por eu estar aqui, e não lá.

Quando forem abrir a boca para reclamar de alguma coisa, lembrem-se de tudo o que está acontecendo no mundo, e calem-se. Agradeçam pela sua saúde, por estarem confortavelmente instalados em uma casa com água potável e comida na geladeira e na despensa, roupas limpas e secas nos armários, computadores, livros, mesas, cadeiras, camas, enfim, o conforto de uma casa. Agradeçam porque seus entes queridos estão em segurança, e você tem um trabalho (se não tem, basta procurar por um e acabará encontrando), olhe em volta e lembre-se de agradecer!

Diante de tudo o que vejo acontecendo no nosso páis e ao redor do mundo, eu às vezes penso que estamos chegando a um ponto final, onde o caminho se bifurcará, e dependerá da nossa decisão sobre qual caminho seguir dali em diante, a sobrevivência ou não da nossa espécie. Com certeza, alguma coisa muito importante está em curso na humanidade neste exato momento, e precisamos abrir os olhos para ver, os ouvidos para ouvir, o coração para sentir, a cabeça para tomarmos decisões acertadas. 

E todas as nossas bobagens, ranhetices, implicâncias, egocentrismos disfarçados de humildade, hipocrisias, e a amargura coberta com uma camada fina de açúcar - que está derretendo -, perderão a importância. Espero que a maioria de nós estejamos atentos e preparados para o que está por vir, pois acho que ainda vai piorar bastante antes de melhorar.

Acho que estamos em transição. Estamos mudando. O caos que precede o recomeço.

Mas este recomeço só acontecerá se, ao chegarmos àquele ponto de bifurcação, tomarmos as decisões acertadas.







SINAIS DO CAOS












Enquanto eu escrevo, olho pela janela e vejo a paisagem linda que me cerca, e penso nas  milhares de pessoas que neste momento estão cercadas de lama por todos os lados, não tem o que beber ou comer e nem guardam  esperanças para o futuro, pessoas que perderam tudo o que tinham e estão se perguntando o que farão daqui para frente.

Penso nas pessoas que foram mortas em Paris, civis que nada tinham a ver com as guerras que seus governantes promovem, e em seus amigos e familiares que neste momento estão sofrendo, talvez revoltados, não tendo mais aquelas pessoas por perto.

Também penso na Síria e em seu povo, que estão sendo bombardeados por todos os lados, e nos demais países que neste momento estão sofrendo os efeitos da guerra. E aqui, esse silêncio, passarinhos cantando, a vida acontecendo normalmente, graças a Deus, o que me faz lembrar de agradecer por eu estar aqui, e não lá.

Quando forem abrir a boca para reclamar de alguma coisa, lembrem-se de tudo o que está acontecendo no mundo, e calem-se. Agradeçam pela sua saúde, por estarem confortavelmente instalados em uma casa com água potável e comida na geladeira e na despensa, roupas limpas e secas nos armários, computadores, livros, mesas, cadeiras, camas, enfim, o conforto de uma casa. Agradeçam porque seus entes queridos estão em segurança, e você tem um trabalho (se não tem, basta procurar por um e acabará encontrando), olhe em volta e lembre-se de agradecer!

Diante de tudo o que vejo acontecendo no nosso páis e ao redor do mundo, eu às vezes penso que estamos chegando a um ponto final, onde o caminho se bifurcará, e dependerá da nossa decisão sobre qual caminho seguir dali em diante, a sobrevivência ou não da nossa espécie. Com certeza, alguma coisa muito importante está em curso na humanidade neste exato momento, e precisamos abrir os olhos para ver, os ouvidos para ouvir, o coração para sentir, a cabeça para tomarmos decisões acertadas. 

E todas as nossas bobagens, ranhetices, implicâncias, egocentrismos disfarçados de humildade, hipocrisias, e a amargura coberta com uma camada fina de açúcar - que está derretendo -, perderão a importância. Espero que a maioria de nós estejamos atentos e preparados para o que está por vir, pois acho que ainda vai piorar bastante antes de melhorar.

Acho que estamos em transição. Estamos mudando. O caos que precede o recomeço.

Mas este recomeço só acontecerá se, ao chegarmos àquele ponto de bifurcação, tomarmos as decisões acertadas.





segunda-feira, 16 de novembro de 2015

HORAS DIFERENTES






O relógio marca
Horas diferentes
Para cada um:

Horas diferentes
De chegar e partir,
Amar e deixar,
Erguer e ruir,
Falar e calar.

Meu pulso pulsa
Diferente do seu,
Às vezes, mais rápido,
Noutras, mais lento.

O tempo me inventa,
E eu o invento.

Caminhos se cruzam,
Mas não se compreendem,
E palavras ríspidas
Definem, explicam
Mas jamais refinam
O que alguém sente.

Vivemos num mundo
Cheio de outros mundos,
E os relógios marcam
Horas diferentes.











quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Novos Enfeites

minha árvore do ano passado - e de todos os anos - será dourada em 2015








Tenho usado os mesmos enfeites em minha árvore de natal há muitos anos - com alguns acréscimos, é claro. Mas não sei o que me deu: quis mudar tudo este ano. Vou pelo dourado. Hoje comprei novos enfeites, e não vejo a hora de começar a montar a minha árvore. Alguns enfeites antigos permanecerão, mas a maioria ficará dentro das caixas. 

Acho que na vida a gente precisa trocar os enfeites também, pois eles vão ficando gastos, pesados e encardidos. De repente, a gente olha e não vê mais o antigo brilho na velha árvore de natal. Daí, trocamos os enfeites e a árvore fica bonita de novo.

Mas pode chegar o dia em que tenhamos que trocar a árvore inteira... quando eu tiver que fazer isso, optarei por alguma árvore natural, um pinheirinho plantado que deixe seu perfume fresco dentro da casa. Ando sentindo vontade de renovar. Aliás, sempre tenho vontade de renovar; a mesmice e a estagnação me entediam. Gosto de olhar em volta e ver novas cores e brilhos.

Tanto na árvore de natal quanto na vida.






Many Steps









We have a long way ahead of us,
But our steps are never enough.
We have a lot of new things to learn,
But our hard disks are much too full.

Under our tongues, many things to say,
But we are always cramming the words.


They say that this world is a school,
But break time never seems to come.
There are many things we'd like to do,
But we never seem willing to start.

There are many flowers trying to bloom
Under the rocks of our broken hearts.






A PRAGA




É preciso ter cuidado,
E prestar muita atenção,
Pois às vezes, tua fome
Não é de um pedaço de pão...
A tristeza que corrói
Não é só pela lembrança,
E o que aperta no teu dedo
É bem mais do que a aliança...

É preciso estar ciente,
E acreditar na sorte,
Pois nem sempre, é um sorriso
Que te salva ou te resgata,
E aquilo que te míngua 
Te arrastando para a morte,
É bem mais do que a angústia,
Não é a doença, é a praga!

É preciso enxergar longe,
Para frente e para trás,
Pois aquilo que se foi,
Não retornará jamais!
E  a culpa que te corta,
Não é faca, nem saudade,
Mas os olhos que te olham,
Suprassumo da maldade!







terça-feira, 10 de novembro de 2015

TWO BOYS MET









Long ago, together they sat
In that unusual afternoon promenade;
One of them showed his jobs,
The other one, opened his gates.

The first one said: “You’re better than bad,”
The other replied: “You’re not worse than good.”
And then, in silence they stood,
Thinking about how they had met.

Suddenly, the first became the last,
And so the last became the first
Not for competitive disgust,
But for a matter of life test.

In an improbable afternoon,
For the last time ever set
Two great geniuses met
In order to seal their fates. 

Finally, one of them said:
“You’ve done great Jobs!”
And the other one replied:
“You’ve opened  big Gates.”







segunda-feira, 9 de novembro de 2015

QUASE






Quase

Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou. Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono. 

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz. A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai. Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza. O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si. 

Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência porém,preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer. Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

POR: Sarah Westphal





domingo, 8 de novembro de 2015

Shattered Song









Shattered silver song
To which someone listens
Without any sense
Or even sensibility
Always frail and tense,
Seven times surrenders,
Sentimentalism
Fakes her criticism...

Swept away with fear
Shows a strong attempt
To appear solid,
But in fact, she's vain...
Just a poor saint
Who has lost her halo
For it has been melted
By the heats of  sadness...





NO DIA SEGUINTE...





A noite foi longa e muito escura,
E os fantasmas passeavam,
Arrastando suas correntes longas e pesadas
Pela madrugada,
fazendo sangrarem as lembranças
Das feridas que eu já pensava
Cicatrizadas.

A noite foi tão dolorida,
A vida gritando entre as batidas
Das horas que, cruelmente,
A engolia...
Foi uma noite longa, longa,
Que deixou a alma cheia de sombras.

Mas no dia seguinte,
O sol surgiu, como sempre,
Os pássaros cantaram sobre os galhos,
A neblina dissipou-se com o avanço da manhã,

E os carros passaram,
Os trabalhadores começaram seu dia
Com sons de marteladas
E risos que soavam entre os serrotes
Que cortavam, em pedaços, a faina do dia.

A noite, de repente, pareceu-me distante...






O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...