terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Um de Nós



Um de nós
Estará, antes, 
Fora do alcance
De qualquer abraço.

Um de nós
Andará por esta casa
Achando imensos
Todos os espaços.

Segura no ponta
Do meu casaco
Quando eu passo,
Pois eu olho
E não te vejo,
Procuro,
E não te acho.



domingo, 29 de janeiro de 2017

Correntes & Pragas Online







Há alguns dias recebi comentários em meu blog A Casa & a Alma através de cópias e colagens de uma corrente. A pessoa em questão copiou e colou várias vezes um texto enorme sob meus comentários, dizendo que, caso eu interrompesse a corrente, teria má sorte e doenças. 

Gentilmente pedi a ela que não colasse mais esse tipo de coisa em meus blogs, e ela voltou a fazê-lo. Copiei, fui até o blog da criatura e colei várias vezes para que ela tivesse um gostinho do próprio remédio. Em seguida, bloqueei-a. 

Que coisa feia essa, de ir aos blogs de outras pessoas para desejar-lhes má sorte e doenças, ameaçando-as, caso quebrem uma corrente! Abusam do mau gosto os que agem assim.

Meu santo é forte, não tenho medo de ameaças. E o que eu consegui na vida, não foi através de correntes, macumba ou qualquer meio artificial ou "mágico" de forçar pessoas a gostarem de mim ou fazerem o que eu quero. Se você depende de macumba, feitiço ou correntes a fim de conseguir o que deseja, saiba que está no caminho errado, e jamais vai conseguir nada tentando forçar alguém usando meios artificiais, a fazer o que você quer. Muito menos, desejando o mal e fazendo ameaças às pessoas. 

Criaturinha, vai examinar sua alma. Dá uma olhadinha em volta, e tente ver o que você fez que afastou a pessoa amada. Eu não sou o remédio para seus males, e tenho a estranha mania de quebrar TODAS as correntes ridículas que enviam para mim. E caso me deseje o mal por isso, saiba que tudo o que me deseja voltará para você três vezes mais forte.





As Plantas e Sua Interação Com as Pessoas



Gosto de ter plantinhas em casa. Além de embelezar e enfeitar, elas deixam a atmosfera mais pacífica. Infelizmente, não tenho muito tempo para dedicar-me a elas como  merecem; porém, mantenho um jardineiro vindo aqui a cada quinze dias, e sempre que posso, vou lá para fora regá-las e apreciá-las. Gosto de ter plantas à janela da sala de estar, enfeitando o peitoril, e frequentemente, troco os vasinhos por novos, que compro em floras ou supermercados. Estas plantas que compramos em vasinhos, recebem adubo em grandes quantidades; é por isso que elas são tão bonitas e floridas. Mas elas entregam, forçadamente, toda a sua energia vital em um curto espaço de tempo devido à adubação exagerada, e por isso, a maioria delas morre em um curto período de tempo.




Se as suas plantinhas estão começando a murchar, observe o seguinte:

-Estou regando demais ou de menos?
-Estou deixando-a tempo demais no sol?
-Estou me esquecendo de colocá-la no sol?
-Será que estou tentando cultivar dentro de casa uma planta que gosta de estar lá fora?
-Falta nutrição?
-Excesso de zelo, ou falta dele?

Costumo juntar pó de café usado, e colocar em meus vasos de plantas. Elas adoram! Também coloco adubo, mas sempre em pequenas quantidades, e apenas uma vez por mês ou menos: olho para a planta, e se achar que ela está precisando, coloco uma colherinha de adubo.


Muitas vezes, por mais que a gente cuide de uma planta, ela começa a murchar ou secar. Quando as plantas adoecem e não reagem aos nossos cuidados, a melhor coisa a se fazer é jogá-las fora. Reaproveito a terra dos vasos para jogar em canteiros. Há várias razões - além das já conhecidas pragas - pelas quais uma planta murcha de repente e morre. O que eu tenho observado, é que elas são extremamente sensíveis às energias que as cercam, e que constantemente, as absorvem. Quem sabe, alguém que visitou sua casa não estava muito bem? Talvez você mesma não esteja com uma energia muito boa, e está passando isso para as plantinhas. Nesse caso, elas servem como pára-raios de más energias, que elas absorvem e neutralizam - mas que acaba por matá-las. Se isso acontecer, elas cumprimaram uma missão, livrando você de algo muito ruim. Agradeça ao invés de se lamentar, e substitua a plantinha morta por outra!




Eu sempre fico triste quando entro em floras ou supermercados onde há plantas murchando, a terra totalmente seca. Afinal, elas são seres vivos e merecem cuidados e atenção! Quando há um bebedouro por perto, eu mesma vou lá, recolho um pouco d'água e jogo nelas. Fico pensando que não custaria nada para quem trabalha nesses locais, cuidar um pouco das plantinhas...



Não tenho plantas dentro de casa, porque nunca consigo cultivá-las por muito tempo. Elas sempre acabam secando e morrendo, ou então, são atacadas por pragas. Prefiro tê-las do lado de fora, plantadas em canteiros ou vasinhos. Dizem que as plantas têm também o poder de despertar as energias, além de combater as negativas; abaixo, uma listinha de plantas e suas propriedades:



Rosas - Elas acompanham nossos ritos de passagem - aniversários, casamentos e outras ocasiões que representam passagens. Já reparou que, ao pensar em presentear alguém com uma flor, a primeira que vem à cabeça, é a rosa?




Lavanda- Além de lindas e perfumadas, elas são relaxantes e combatem o estresse.




Margaridas - Através de sua simplicidade, elas transmitem confiança e afeto. 



Violetas - Dizem que nunca se deve presentear alguém com vasinhos de violeta, pois ao invés de doar energias, elas as absorvem e roubam... será? De qualquer maneira, elas incentivam a humildade e a delicadeza. Bem, se suas violetas - plantas de difícil cultivo - andam morrendo com facilidade, verifique como anda a atmosfera de sua casa!




Girassol - É claro, esta é a planta da alegria e da expansão!




Jasmin - Seu perfume afasta as energias negativas, purifica, alegra e combate o mau-olhado. 




Árvore da Felicidade - É aconselhável ter as duas espécies juntas: macho e fêmea. Elas trazem felicidade e prosperidade à casa e ao casal. 



Alecrim- Vive adoentado? Teha alecrim em casa! Ele oferece a cura. Dizem que em uma casa onde o alecrim não vinga, há problemas sérios.



Manjericão - Além de servir de tempero para vários pratos, o manjericão é a planta da prosperidade. Se estiver precisando de emprego, ou querendo melhorar sua colocação no emprego atual, tome banho com folhas de manjericão e mentalize o que deseja.




Arruda - Todo mundo sabe para que a arruda serve: ela combate a inveja. Provavelmente, sua avó e sua mãe já sabiam disso! Se a arruda morrer, saiba que cumpriu seu papel. 



Hortênsias - Elas ajudam quem estiver desejando cultivar melhor o lado espiritual. Elas promovem a união entre as pessoas, dissolvendo a solidão.




Primaveras- Elas podem ser cultivadas de três maneiras: quando podadas, viram lindos arbustos ou cercas vivas, mas se deixadas ao natural, transformam-se em árvores frondosas e muito floridas. Plantadas sobre o muro ou portão de uma casa, são excelentes escudos contra ladrões e energias negativas. 




Antúrios - Através de seu formato, invocam a energia masculina. Se quiser apimentar a vida sexual, plante-os em casa! Também são excelentes para escritórios e lojas. 




Hibiscos - A primeira imagem que me veio à cabeça ao mencioná-los, foram aqueles filmes antigos de Elvis Presley, filmados no Hawaii. Plantas exóticas com flores grandes, coloridas e sensuais. Estimulam o amor e a paixão, o romantismo e os relacionamentos amorosos. 



Azaléias - em várias cores e formatos, essas lindas flores são ótimas auxiliares para quem está passando por momentos difíceis de luto e perda, pois ajudam muito a alegrar o ambiente. Trazem consolo, conforto, aconchego e segurança. 



Comigo-ninguém-pode - São muito venenosas, portanto, cuidado! A grande vantagem no cultivo dessas belas folhagens, é que elas combatem e neutralizam energias negativas, inveja e maledicência. Boas para serem cultivadas junto ao portão de casa, ou em vasos à porta de estabelecimentos comerciais. 




As árvores frutíferas, além de alegrarem a casa ao atrair pássaros e borboletas, transmitem a energia da abundância e da fartura. Existem espécies que crescem rapidamente, como as pitangueiras, bananeiras e laranjeiras.




Escolha a sua plantinha, e mãos à obra!










sábado, 28 de janeiro de 2017

QUEM








Quem passar pelo meu caminho
E tocar a campainha
Da minha casa esquecida,
Que o faça de boa vontade.

Se não for assim, prossiga,
Tenho o bastante nessa vida
Que me proteja e me guarde.

Já nem falo de saudade,
Pois ela é pedra que bate
No muro, e ricocheteia
Atingindo a minha face.

Se não há reciprocidade,
Passe de olhos bem fechados,
Me esqueça, por piedade.






segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Ah, Esse Olhar!...







7 Years



Hoje vamos de Lukas Graham e sua canção 7 Years. 



Once I was seven years old my momma told me
Go make yourself some friends
Or you'll be lonely
Once I was seven years old

It was a big big world,
But we thought we were bigger
Pushing each other to the limits,
We were learning quicker
By eleven smoking herb
And drinking burning liquor
Never rich so we were out
To make that steady figure


Once I was eleven years old
My daddy told me
Go get yourself a wife
Or you'll be lonely
Once I was eleven years old


I always had that dream
Like my daddy before me
So I started writing songs,
I started writing stories
Something about that glory
Just always seemed to bore me
Cause only those I really love
Will ever really know me


Once I was 20 years old,
My story got told
Before the morning sun,
When life was lonely
Once I was 20 years old

(Lukas Graham!!!)


I only see my goals,
I don't believe in failure
Cause I know the smallest voices,
They can make it major
I got my boys with me
At least those in favor
And if we don't meet before I leave,
I hope I'll see you later


Once I was 20 years old,My story got told
I was writing about everything,
I saw before me
Once I was 20 years old
Soon we'll be 30 years old,
Our songs have been sold
We've traveled around the world
And we're still roaming
Soon we'll be 30 years old


I'm still learning about life
My woman brought children for me
So I can sing them all my songs
And I can tell them stories
Most of my boys are with me
Some are still out seeking glory
And some I had to leave behind
My brother I'm still sorry


Soon I'll be 60 years old,
My daddy got 61
Remember life
And then your life becomes a better one
I made a man so happy when
I wrote a letter once
I hope my children come and visit,
Once or twice a month


Soon I'll be 60 years old,
Will I think the world is cold
Or will I have a lot of children
Who can warm me
Soon I'll be 60 years old
Soon I'll be 60 years old,
Will I think the world is cold
Or will I have a lot of children
Who can warm me
Soon I'll be 60 years old


Once I was seven years old,
My momma told me
Go make yourself some friends
Or you'll be lonely
Once I was seven years old


Once I was seven years old




Tradução




7 Anos

Uma vez quando eu tinha 7 anos, minha mãe me disse
Vá fazer alguns amigos ou você vai ser solitário
Uma vez quando eu tinha 7 anos de idade

Era um mundo muito grande, mas pensávamos ser maiores
Empurrando uns aos outros até o limite, estávamos aprendendo mais rápido
Aos 11 fumando erva e tomando bebidas alcoólicas fortes
Nunca fomos ricos, então saímos para criar uma figura estável

Uma vez quando eu tinha 11 anos, meu pai me disse
Vá arranjar uma esposa ou você vai ser solitário
Uma vez quando eu tinha 11 anos

Eu sempre tive esse sonho, assim como meu pai antes de mim
Então eu comecei a escrever músicas, comecei a escrever histórias
Algo sobre a glória sempre pareceu me entediar
Porque só os que eu realmente amo irão realmente me conhecer

Uma vez quando eu tinha 20 anos, minha história foi contada
Antes de o sol da manhã, quando a vida era solitária
Uma vez quando eu tinha 20 anos

Eu só vejo os meus objetivos, eu não acredito em falhas
Porque eu sei que as vozes mais fracas, elas podem tornar-se maior
Eu tenho meus amigos comigo, ao menos aqueles à favor
E se nós não nos conhecermos antes de eu partir, espero ver vocês mais tarde

Uma vez quando eu tinha 20 anos, minha história foi contada
Eu estava escrevendo sobre tudo que vi diante de mim
Uma vez quando eu tinha 20 anos

Logo teremos 30 anos, as nossas músicas terão sido vendidas
Teremos viajado por todo o mundo e ainda estaremos a caminhar
Logo teremos 30 anos

Eu ainda estou aprendendo sobre a vida
Minha mulher trouxe as crianças para mim
Então eu posso cantar todas as minhas músicas pra eles
E eu posso contar-lhes histórias

A maioria dos meus amigos estão comigo
Alguns ainda estão a procurar a glória
E alguns eu tive que deixar para trás
Meu irmão, ainda sinto muito

Em breve terei 60 anos de idade, meu pai fez 61
Lembre-se da vida e então, sua vida se torna melhor
Deixei o homem tão feliz quando eu escrevi uma carta, certa vez
Espero que meus filhos venham fazer uma visita uma ou duas vezes por mês

Em breve terei 60 anos, acharei que o mundo é frio?
Ou terei muitas crianças para me aquecer?
Em breve terei 60 anos

Em breve terei 60 anos, acharei que o mundo é frio
Ou terei muitas crianças para me aquecer?
Em breve terei 60 anos

Uma vez quando eu tinha 7 anos, minha mãe me disse
Vá fazer alguns amigos ou você vai ser solitário
Uma vez quando eu tinha 7 anos

Uma vez quando eu tinha 7 anos







Menos é Mais; É Mesmo?








Assistindo a um reality show, fiquei sabendo das peripécias de uma família americana de classe média alta (pais e dois filhos adolescentes) que trocou sua residência - uma casa grande, confortável e muito bonita, em um bairro residencial muito bom - por uma cabana de dois cômodos próxima a um lago. O local escolhido era bonito e bucólico, mas um pouco longe da chamada 'civilização.' 

Durante o programa, enquanto a cabana era construída com materiais recicláveis e madeira certificada, as pessoas tinham que escolher o que levar e o que deixar. A maioria de seus pertences teve que ser vendida, doada ou levada para um depósito, pois a cabana mal comportaria a família; dirá seus pertences! Notei o quanto foi difícil para os adolescentes livrarem-se de coisas como skates, pranchas de surf, Cds, aparelhos de som e computadores. Um exercício de desapego, sem dúvida, mas um tanto exagerado...

Finalmente, o programa mostra a família totalmente "adaptada" ao novo lar, com seus sorrisos forçados posando para a câmera a fim de darem o exemplo do quanto é bom desapegar-se e levar uma vida mais "sustentável."  Pensei no quanto seria difícil para mim ter que viver em um local tão pequeno, livrando-me dos meus livros, CDs, vinis, objetos que eu adoro, meu jogo de sofás que é tão confortável e outras coisas que possuímos. Se fosse realmente preciso, eu os deixaria para trás sem arrependimentos, mas por que desfazer-me de coisas que amo se não é necessário fazê-lo?

Penso que daqui a alguns anos, teremos que nos livrar de muitas coisas, pois estamos envelhecendo e esta casa é grande demais para um casal de velhos - e ainda tem escadas por dentro e no jardim. Mas a nossa hora ainda não chegou. Enquanto for possível, desfrutaremos das coisas que conseguimos através do  suor do nosso trabalho, e nenhum arquiteto moderninho ou ecologista maluco vai nos convencer do contrário.

É triste, ver o quanto as pessoas se submetem a modismos e exageros a fim de obterem dos outros opiniões favoráveis sobre eles mesmos!




ADOTE UM CÃO OU COMPRE UM. A ESCOLHA É UM DIREITO SEU.


Leona: ganhei de presente de um de meus alunos




Há campanhas para tudo nos dias de hoje. De uma hora para outra, “Somos Todos...” alguma coisa. Alguns dias depois, não somos mais. Mudamos a foto de perfil nas redes sociais para mostrar nosso apoio e nosso repúdio a várias causas diferentes: somos contra/a favor de políticos e partidos políticos, ajudamos a salvar as baleias e as criancinhas com fome na África (mas quando uma criança com fome nos aborda na rua, fazemos cara de paisagem e dizemos: “Hoje eu não tenho...”).  Mas nas redes sociais, é bonito protestar. É bonito defender. Está na moda. 

Hoje, mais uma vez, vou abordar a causa dos cães abandonados e seus protetores. Acho muito bacana proteger animais abandonados; o problema, é quando isto se torna uma obsessão, e o ato de proteger vira acumulação. Daí, quando a pessoa se dá conta de que a responsabilidade que assumiu está muito além das suas forças, ela quer dividi-la com alguém, e tenta fazê-lo incutindo nos outros o sentimento de culpa: “Você tem que adotar um cão!  Não compre, adote!”




Mootley: comprei em uma pet shop. Conheci o criador e chequei sua reputação.



É preciso que nos conscientizemos. Seria muito bom se, ao olhar para um cachorrinho bonitinho, a pessoa pensasse também que esse cachorrinho vai crescer, e vai precisar de assistência veterinária, vacinas, ração, um local para ficar e muito carinho; ele vai precisar de alguém que cuide dele quando nos ausentarmos, e seria muito bom se ele fosse castrado para que não procrie além da nossa capacidade de cuidar dele e de suas crias.  Mas não é o que acontece: as pessoas acham que cachorros são objetos descartáveis, sem sentimentos ou necessidades. Basta abrir o portão de casa... e nos livramos deles! Ou então, se formos bonzinhos, nós os deixaremos no portão de alguém ou amarrado a um poste em frente a uma  pet shop ou clínica veterinária, dizendo: “Não se preocupe! Alguém vai levar você para casa.”

Essas coisas acontecem porque não existem leis severas neste país que punam quem faz isso. A culpa pelos cães abandonados não é dos criadores de cães de raça, mas dos criadores de caso.

É fácil ver fotografias nestas campanhas de adoção mostrando cadelas matrizes macilentas e doentes a fim de demonstrar que cães não devem ser comprados. Algumas vezes, me pergunto se todas aquelas fotografias são, realmente, de cadelas matrizes.  

Mas, se pararmos de comprar os cães de raça que são vendidos pelos criadores, qual será o destino dessas centenas de milhares de animaizinhos? Ah, isso não importa, desde que as pessoas adotem os cães de rua. É a elitização canina! 

E os protetores bradam: “Os cães de pet shops e criadores não precisam de donos, apenas os cães de rua! Que todas as raças caninas sejam extintas, e todos os seus cruéis criadores, presos e proibidos de exercerem seu trabalho! Assim, as pessoas passarão a adotar os cães abandonados que nós recolhemos nas ruas e não temos mais onde colocar.”

E quanto àqueles que abandonaram estes cães nas ruas? Por acaso, se começarmos a adotar todos os cães de rua do mundo, eles vão parar de abandoná-los? Não! Isto acabará incentivando o comportamento destas pessoas cruéis e irresponsáveis! A única maneira de parar ou pelo menos, diminuir isto, é criando leis mais fortes, mexendo nos bolsos delas, e fazendo campanhas de conscientização. 

Todos falam da crueldade de alguns criadores, como se todos eles fossem cruéis, quando na verdade, não é assim. Porém, não falam da crueldade dos abandonadores de cães, que o fazem porque, ou não se importam, ou têm certeza de que os animais serão recolhidos. Falam da crueldade dos criadores de cães de raça, mas não dizem nada sobre a crueldade que acontece em alguns canis públicos e até nos canis de algumas ONGS, onde cães passam fome, adoecem, morrem e comem uns aos outros. Mas isto significa que todas as ONGS são ruins? Não! Assim como não significa que todos os criadores de cães sejam ruins.

É bonito ajudar os animais; é necessário, incontestavelmente necessário. Mas se eu quiser recolher cães de rua, devo entender que a responsabilidade sobre eles é minha. Assim como se eu quiser comprar um cão de raça, a responsabilidade em checar as suas origens também é minha. Temos o direito de fazer escolhas, responsavelmente, sem nos sentirmos culpados.

Quem quer comprar um cão de raça, deve investigar sua origem; deve exigir conhecer os pais, visitar o local de onde ele vem, e checar a reputação do criador. Encontrando alguma irregularidade, contatar a polícia ou a associação protetora.  

Mas enquanto existir no mundo essa névoa de sentimento de culpa pairando sobre todos, e essa mania de achar que, após criarmos problemas, as outras pessoas tem que nos ajudar a resolvê-los, não haverá nenhuma solução. Estamos engatinhando nos degraus da evolução, e sinto que ainda não subimos quase nada. Só começaremos a subir quando nos tornarmos responsáveis pelos nossos atos. 




Meus falecidos Rottweilers, Latifah e Aleph: ela, nós ganhamos; ele, nós compramos de um criador. O rapaz que nos vendeu o Aleph tornou-se nosso amigo e nos visitava de vez em quando para ver o cão.





Há Flores Espirituais em Mim

Uma participação dedicada à amiga Rosélia, pelo oitavo aniversário de seu blog: Sinto que há flores espirituais em mim ...