segunda-feira, 31 de julho de 2017

DÊ DAQUILO QUE TE SOBRA, E NÃO DAQUILO QUE TE FALTA – Ou A Cultura da Culpa








Às vezes eu me revolto pelas coisas que eu vejo acontecendo no mundo: tantas guerras e mortes, tantas crianças abandonadas... mas noutras, eu penso que as coisas estão exatamente da forma como deveriam estar. O mundo é um reflexo daqueles que vivem nele, e ele reflete – da mesma forma que um espelho – aquilo que a maioria de nós estamos projetando. 

Os países que são devastados pelas guerras são sempre os mesmos, e tem sido assim desde os primórdios da existência humana. Sinceramente sinto muito pelos que lá nasceram e convivem com esse estado de coisas, principalmente, pelas crianças; porém, ao longo de milhares de anos, nada fizeram para tentar mudar tal situação. Permanecem submissos, vitimados, cultivando dentro de si motivos racistas e “religiosos” para que tais conflitos continuem sendo sustentados. E ao serem recebidos em outros países como refugiados, a maioria deles não aceitam a cultura local, mas fecham-se em grupos radicais e protegem terroristas.

Desde muito cedo, somos submetidos à cultura da culpa, que nos é pregada através das religiões (Fora da caridade não há salvação) que pregam que devemos nos sacrificar pelas outras pessoas e fazermos por elas o que elas mesmas deveriam estar fazendo. Devemos doar mais do que podemos, sacrificando-nos da mesma forma que a viúva sacrificou-se no templo ao doar seu único óbolo. Mas ninguém sabe se, ao final daquele dia, a viúva passou fome, ou foi ajudada por alguém.  A política e seus partidos do povo fazem a mesma coisa: devemos tirar dos ricos e doar aos pobres, cuja única obrigação, é receber. Afinal, eles são vítimas da sociedade. 

Você é culpado pela situação deles. Eu sou culpada. Eles, não. 

A mídia também contribui sobremaneira para a cultura da culpa ao mostrar propagandas de ONGS e instituições de caridade, expondo crianças doentes e macilentas na África e dizer que nós devemos adotar uma delas, fazer doações e nos sentirmos culpados. O que a mídia não mostra muito, é que nos países africanos, a AIDS e a fome proliferam não apenas devido a governos corruptos, mas também porque as pessoas se recusam a usar preservativos por motivos “religiosos.” Porém, estes motivos religiosos não as impedem de colocar no mundo centenas de milhares de crianças que passarão fome, sofrerão e morrerão antes de completarem cinco anos de idade, e nem de manter gorilas fêmeas em cativeiro como escravas sexuais. E todo mundo já sabe que a AIDS é uma doença que surgiu através destas práticas. 

Mas a culpa é minha. 

Nós crescemos ouvindo os adultos dizerem que devemos nos sacrificar pelos que estão em volta. Fazer aquilo que nós amaríamos fazer, indo contra a vontade dos pais, é ingratidão. Existem muitas pessoas que se tornam profissionais medíocres, infelizes e insatisfeitos, pois seguem a carreira que os pais ou um dos pais lhes impuseram. E a cultura da culpa vai se expandindo dentro de nós, ao ponto em que, ao nos sentirmos felizes ou realizados, a culpa borre imediatamente a paisagem, fazendo com que a realização de nossos sonhos se transforme em sentimentos de amargura, egoísmo e irresponsabilidade: “Morar em uma casa assim quando tantos não têm onde morar? Comer em restaurante quando tantos não têm o que comer? Vestir roupas caras quando tantos estão nus? Ajudar animais de rua quando há tantas crianças que precisam ser adotadas (como se fosse a mesma coisa)? Passar o tempo livre descansando, viajando ou assistindo TV enquanto alguém na família precisa de nossa ajuda ( porque não soube organizar o seu tempo de forma mais inteligente)? Culpa, culpa, culpa... não é à toa que existem tantas pessoas deprimidas. A culpa corrói por dentro. 

Sem falar nos adultos que jamais amadurecem, não crescem, não souberam cultivar sua independência, sua inteligência emocional, e que continuam pendurados feito apêndices em algum membro da família, achando que é obrigação destes que os ajudem, façam as coisas para eles, paguem suas contas, vivam suas vidas. Porque afinal, quem deixaria de ajudar alguém tão fragilizado? Somente quem não tivesse coração! 

E tais pessoas usam da cultura da culpa a fim de conseguir que as outras mais fortes façam tudo por elas. Elas são os filhos que não pediram para nascer, ou os pais que vivem reclamando porque os filhos não ligam todos os dias. Elas são o amigo (a) que liga no meio da noite porque teve uma discussão com o namorado(a), ou o que vive pedindo dinheiro emprestado e nunca paga. Elas também são as tias que têm um ‘probleminha de saúde’ indefinido e que por isso não podem trabalhar, e as crianças ‘traumatizadas’ porque os pais são separados. Elas são os maridos violentos que logo se arrependem e prometem que não vão fazer aquilo nunca mais, e as mulheres que procuram por ajuda quando são espancadas, mas que viram feras quando alguém tenta colocar o agressor na cadeia. Elas são as pessoas frágeis, e são responsabilidade nossa – pelo menos, foi o que nos ensinaram.

Assim, de repente, vemos as pessoas “fortaleza” adoecendo e morrendo aos poucos de males como depressão, doenças cardíacas, dores na coluna, úlceras estomacais, e outras, todas elas causadas pela cultura da culpa. Uma culpa que a pessoa que adoece não tem realmente, mas que a sociedade ensinou-lhe que é dela. Na verdade, elas sofrem de vampirismo. Têm seu sangue, seu tempo, sua saúde e sua energia sugados pelos membros mais “frágeis.”  Elas adoecem porque ninguém pode viver várias vidas ao mesmo tempo. Já é muito difícil resolver os próprios problemas, quanto mais, os problemas de todo mundo. As dores na coluna e os problemas estomacais são o primeiro sinal. 

Não sou contra ajudar a quem precisa, mas aprendi a duras penas que ajudar não significa, jamais, substituir. Eu doo daquilo que eu possuo, nunca do que me falta; doo daquilo que eu tenho e que sei que não vou precisar. Eu faço doações das roupas que não preciso, do tempo livre que eu acho que posso doar, das palavras que eu acho que serão ouvidas. Também doo às crianças da África, mas não me sinto culpada pela situação delas.  Ajudo animais de rua quando eles cruzam o meu caminho, mas acho que recolher animais em minha casa quando não tenho condições de cuidar deles, não resolverá o problema dos animais abandonados; pelo contrário, só incentivará o abandono, pois as pessoas que recolhem animais passam a vida lidando com os que são abandonados nos portões de suas casas quase todos os dias.

Existem momentos em que todos precisamos de ajuda. Mas esses momentos não podem ser recorrentes, e muito menos, eternos. Não estique mais o seu braço para que bebam do seu sangue até que se fartem. Não faça mais isso para ninguém. Que cada pessoa aprenda a deixar de se vitimizar e seja responsável por seus próprios atos. Pode ser que depois de tomar esta decisão, você passe a ter bastante tempo livre; afinal, muitos se afastarão de você. Mas apenas os que realmente interessam ficarão.






5 comentários:

  1. Ana, cada dia me apaixono mais e mais pela sua perspectiva da vida e pela forma sábia e didática como você expõe suas ideias. Esta postagem é das mais oportunas, inteligentes e sábias que já li. Sem qualquer nesga de hipocrisia. Parabéns querida amiga.

    Assino embaixo e aplaudo de pé.

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Paulo. Vindo de alguém que admiro tanto como você, é um grande elogio!

      Excluir
  2. Ana, excelente texto e para variar, se me permite, quero postar lá. Quando você escreve, não deixa dúvidas sobre sua linha de pensamento, não há a menor dúvida que a "culpa" nos corrói por dentro e nos adoece...
    Gratidão!
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Que texto bem escrito, muitíssimo bem pensado! Concordo linha por linha. E o último parágrafo está perfeito. Ainda ontem, domingo, estávamos sentados numa cafeteria na calçada, e chegou uma pedinte contando uma história toda enrolada da filha doente, que apareceu na televisão sem recursos etc e tal. Fiquei olhando e ouvindo com o sentido de ver aquele teatro. Minha filha estava junto, tirou dinheiro e deu. Eu não. A 2 metros a mesma cena; ninguém deu. Foi para a próxima e assim por diante, foi longe, e saia bem animada. Minha filha me olhou como indagando... Eu deixei que ela mesmo tirasse suas conclusões, seguindo a "jovem" mulher que poderia estar trabalhando.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana!
    Seu texto é bem denso. Tem muitas ideias e dá pra refletir sobre vários aspectos.
    Dá pra perceber que você pensa bastante no que escreve ou que você é uma pessoa muito bem resolvida.
    Parabéns amiga!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Há Flores Espirituais em Mim

Uma participação dedicada à amiga Rosélia, pelo oitavo aniversário de seu blog: Sinto que há flores espirituais em mim ...