terça-feira, 1 de agosto de 2017

Essas Almas







Essas almas que me chegam
Com seus corações quebrados
Que eu pego com cuidado 
Na concha da minha mão...

A tristeza de saber
Que não posso consertá-los!
Então, eu tento assoprá-los
Para que não ardam tanto.

E elas me falam de tudo
Que se chama desencanto,
E eu empresto meus ouvidos,
E às vezes, as palavras;
(-Saem mais aliviadas
Ou será só ilusão?)

Essas almas que me chegam
Derramando em meus espaços
As tristezas represadas,
E o cansaço dessa vida
Que às vezes, é madrasta,
-No final, todas se vão...

Um dia, eu passo por elas,
E nossos olhos se encontram...
Muitas vezes, nem palavras,
Nem sequer um cumprimento;
Entre o vento que separa
Nossas almas já estranhas,
Um silêncio constrangido
Pelo que foi partilhado
Naquele tempo roubado,
Naqueles raros momentos.




3 comentários:

  1. Ana Bailune
    A forma do poema prende, no entanto e apesar da beleza, e acho marcado por expressões de certo desânimo. Se isso da natureza de vários poetas, não será da tua. Será apenas diversidade de pensamento poético?
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. A poesia e a imagem me agradaram.
    Desejando que se encontre bem
    deixo um beijinho.
    Irene Alves

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...